Aos 70 anos, o ator Marco Nanini, um dos primeiros da sua geração a assumir a homossexualidade publicamente, falou sobre a situação que a população LGBTQ enfrenta hoje no país. “Fico chateado. É uma injustiça isso. Não tenho medo porque nunca aconteceu nada comigo diretamente. Mas eu fico tenso com o que acontece com os outros.”

Em 2011, logo após o caso do jovem que foi agredido com uma lâmpada no rosto na Avenida Paulista ter virado notícia no país inteiro, o eterno patriarca da ‘Grande Família‘ deu uma entrevista à revista Bravo!, onde falou sobre sua sexualidade pela primeira vez.

Em entrevista à revista Quem, ele relembrou como foi sua saída do armário. “Foi por isso que eu resolvi falar sobre esse assunto. Quando houve aquele episódio horroroso de quebrarem lâmpadas na cabeça de um rapaz gay, na Paulista, em São Paulo. Aquilo foi de uma forma covarde, pelas costas, em grupo. Isso me gerou uma revolta e eu tive que falar e falei”, completou.

Nanini mantém uma relação com o produtor Fernando Libonati. Na época tinha 63 anos de idade e disse ter feito isso – sair do armário – por acreditar que este é um ato político. Desde então, ele tem sido lembrado e chamado à luta contra a homofobia no Brasil.

Política e cultura

Sobre a cultura no Brasil, e as polêmicas nessa área promovidas pelo governo de Jair Bolsonaro, o ator afirmou que: “É um retrocesso, com certeza. Eu nunca poderia imaginar que pessoas do centro do poder não conheçam o que é essa manifestação, que é do povo.”

Ele ainda contou que protesta contra as atitudes do governo à sua maneira. “Eu trabalho e continuo produzindo. Eu não gosto de ficar discutindo com ninguém. Eu prefiro fazer coisas”, disse. “Não tenho redes sociais, porque eu não sei administrar isso. A internet é muita coisa. Eu vou ficar o dia inteiro se eu entrar em uma rede social dessa. E eu não quero”, falou.


Veja também:

A homofobia em números no Brasil

“Se víssemos gays como filhos de Deus, as coisas mudariam muito”, diz Papa Francisco

Related Posts

Comentários

Comentário