A Igreja Anglicana que controla 5 mil escolas, recomendou que as crianças que estudam em suas instituições devem ser livres para explorar as diversas identidades de gênero sem serem rotuladas ou intimidadas. As informações são do jornal The Independent e, segundo a publicação, o intuito das diretrizes é promover a dignidade para todas as crianças.

De acordo com Justin Welby, arcebispo da região da Cantuária, na Inglaterra, todas as formas de bullying, incluindo os relacionados à orientação sexual ou identidade de gênero, podem provocar danos profundos que levam “a níveis altos de desordens mentais”.

“Essas diretrizes ajudam as escolas a oferecerem a mensagem cristã de amor, alegria e celebração de nossa humanidade sem exceção ou exclusão”, acredita.

igreja anglicana

Para o arcebispo de Canterbury, Justin Welby, a homofobia é algo “absolutamente contrário à prática cristã”. Foto: Getty.

O jornal ressalta ainda que grupos da igreja contrários a decisão do arcebispo acreditam que, por serem discordantes, estão sendo silenciados e rotulados como preconceituosos. Mas para Welby, o importante é tratar o assunto de forma série e equilibrada.

“Outro desafio para as escolas da igreja – que deve ser enfrentado de frente – é a complexidade do combate ao bullying homofóbico enquanto ainda ensina a visão anglicana tradicional do casamento, especialmente à luz da mudança revolucionária da sua definição legal para o alojamento de casais do mesmo sexo”, afirma.

Nas diretrizes anti-homofobia, intitulado “Avaliando todas as crianças de Deus”, o arcebispo esclarece: “As escolas da igreja são construídas com base na convicção de que cada criança é criada, amada e convocada para a plenitude da vida por Deus. Esta nova orientação visa ajudar as escolas a moldar sua cultura à luz desta realidade, garantindo que eles ofereçam um lugar seguro e acolhedor para todos os filhos de Deus.

Foto de capa: DINO.

Related Posts

Comentários

Comentário