Diversos sites ao redor do mundo começaram a divulgar que o cantor russo Zelimkhan Bakaev pode ter se tornado uma vítima das autoridades da Chechênia. Apesar de não ser homossexual assumido, Zelimkhan teria sido preso e torturado até sua morte.

Aos 26 anos de idade, o astro de música pop está desaparecido desde o mês de agosto, sendo visto pela última vez na capital da Chechênia. Fontes informaram que Bakaev foi preso, torturado e assassinado pelas autoridades chechenas devido a suspeita de homossexualidade.

Bakaev, que mora em Moscou, chegou à capital chechena, Grozny, para o casamento da irmã e desapareceu. Sua conta no Instagram foi misteriosamente excluída, mas seu perfil no Twitter (sem atualizações recentes) permanece ativo.

Na semana passada, Igor Kocketkov, da rede russa LGBT, fez uma declaração para a imprensa sobre o sumiço de Bakaev dizendo: “No final de agosto, recebemos a confirmação de nossa suspeita de que [Bakaev] foi detido pelas autoridades chechenas devido a suspeita de homossexualidade”.

Veja também:

Ainda na semana passada, Maxim Lapunov tornou-se a primeira vítima da “limpeza gay” da Chechênia a se apresentar publicamente com reivindicações de abuso pelas autoridades (saiba mais aqui).

Igor Kocketkov afirmou no pronunciamento à imprensa de segunda-feira que outras pessoas na indústria do entretenimento da Chechênia foram submetidas a “tortura”, pois as autoridades queriam informações sobre Bakayev.

Campos de concentração

Em abril o jornal Novaya Gazeta, denunciou que autoridades da Chechênia estariam usando campos de concentração para prender e torturar homens gays. De acordo com denúncias de grupos defensores dos direitos humanos, mais de 100 homens gays foram detidos “em conexão a sua orientação sexual não-tradicional, ou suspeitas disso”.

De acordo com o jornal The New York Times, gays que vivem na região estão apagando seus perfis em redes sociais, pois policiais estão utilizando perfis falsos para convidá-los para encontros e então prendê-los.

Em resposta oficial, a Chechênia nega as acusações dizendo que “é impossível prender ou reprimir um tipo de pessoa que não existe na república. Se essas pessoas existissem na Chechênia, as autoridades não precisariam se preocupar com elas, pois seus próprios parentes as mandariam para lugares de onde jamais retornariam.”

A família do cantor Zelimkhan Bakaev entrou em contato com as autoridades, mas essas negaram todas as acusações e ainda afirmaram que o cantor teria deixado a república e ido para a Alemanha. Algumas fontes asseguram que ele foi preso e morto após 10 horas de tortura.

Com informações de 1news e Back2Stonewall.

Related Posts

Comentários

Comentário