A arte Pin-Up ficou mundialmente conhecida na cultura pop pelas imagens de Marilyn Monroe e Betty Boo e constituem um modelo de desenho onde as personagens são apresentadas de forma sensual, ao mesmo tempo que brinca com o lúdico e infere uma certa inocência.

O material gráfico sensual é geralmente destinado à exibição informal, num estilo leve de erotismo baseada em fotografia, que reproduzem cenas cotidianas, sempre com humor e muitas cores.

O termo foi documentado pela primeira vez em inglês em 1941, mas tem várias versões que datam o uso de imagens nesse estilo já em 1890, onde recortes de revistas, jornais, cartões postais, cromo-litografias eram produzidos para serem pendurados (em inglês pin-up), até serem produzidos em massa, tal qual conhecemos hoje.

Esse estilo sempre mostrou mulheres nas produções, e foi pensando nisso que o artista visual e designer Paul Richmond resolveu trazer essa arte para o universo gay. Ele transformou a essência dessa arte icônica da cultura pop para o contexto da comunidade gay, evidenciando a sensualidade em situações cômicas e inusitadas, e o resultado é maravilhoso!

Conheça a arte homoerótica de Pin-Ups de Paul Richmond:

Para ver mais do trabalho do artista, visite sua página aqui.


Veja também:

Cause I’m a man: Fotógrafa registra a transição de gênero do irmão em série intimista

Conheça 9 desenhos animados que discutem diversidade e gênero

Carta aberta ao atual do meu ex-namorado

Related Posts

Comentários

Comentário